AJUDA AO RS

Entidades do agronegócio fazem campanhas para ajudar o povo gaúcho. Saiba como participar!

Economia

Entidades de SC pedem suspensão de leilão para compra de arroz

Grupo teme os impactos negativos no setor que já contabiliza prejuízos e garante: “situação no RS não compromete o abastecimento do país”

3 minutos de leitura

18/05/2024 | 12:44

Por: Sabrina Nascimento | Atualizado às 18h27 do dia 17/05/2024

arroz sem casca
Foto: Adobe Stock

Entidades do setor arrozeiro de Santa Catarina pedem ao Governo Federal a suspensão do leilão para compra de arroz beneficiado do Mercosul e de outros países. O grupo está preocupado com os “impactos negativos” que a importação do cereal trará para a rizicultura brasileira. O leilão está marcado para o dia 21, e será realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A previsão é comprar 104 mil toneladas de arroz beneficiado, polido, longo e fino, tipo 1, da safra 2023/2024. 

Para as entidades, “em um momento já extremamente difícil, por conta das inundações que assolam o estado gaúcho, a iniciativa de importar o grão servirá apenas para trazer ainda mais dificuldades e prejuízos para a cadeia produtiva de arroz no Brasil, uma vez que muitos produtores, indústrias e cooperativas já contabilizam prejuízos consideráveis por conta dos problemas climáticos”, afirmam em nota.

Mesmo com as inundações em lavouras do Rio Grande do Sul, principal estado produtor do cereal, as entidades “reforçam a garantia de que a produção do grão não será impactada a ponto de faltar arroz para o consumo interno brasileiro”,  porque a colheita da safra 2023/2024 já estava bastante adiantada em ambos os Estados – 84% da área cultivada no RS e quase 100% na área cultivada em Santa Catarina.

As entidades defendem, ainda, que “os problemas logísticos no Rio Grande do Sul, como a dificuldade de escoamento da produção por conta da interdição de rodovias, já estão sendo superados. Além disso, as negociações de compra e venda de arroz em casca para beneficiamento seguem sendo realizadas entre os produtores rurais e as indústrias e cooperativas responsáveis pelo beneficiamento do grão.”

O pedido de suspensão é feito pelo Sindicato das Indústrias de Arroz de Santa Catarina (SindArroz-SC), a Cooperativa Central Brasileira de Arroz (BRAZILRICE), a Associação Catarinense dos Produtores de Sementes de Arroz Irrigado (ACAPSA), a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Santa Catarina (FETAESC) e a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc).

Vale destacar que entidades do setor arrozeiro do Rio Grande do Sul também já se posicionaram contra a decisão do Governo Federal de realizar um leilão para compra do cereal. O Governo Federal, no entanto, segue falando que a intenção não é concorrer com o produtor brasileiro, mas garantir o abastecimento.

O que diz a empresa líder na distribuição e comercialização do cereal sobre o leilão de arroz?

A Camil Alimentos, maior fabricante nacional de arroz, informou em nota ao Broadcast Agro que observa aumento na demanda por alimentos básicos, como o arroz, mas afasta a possibilidade de problemas de abastecimento a médio prazo. 

“Esse comportamento, juntamente com as limitações logísticas para abastecer as regiões afetadas no Rio Grande do Sul, pode gerar uma sensação de escassez no curto prazo. A empresa compreende que essa é uma situação pontual na região e acredita que, com a retomada da logística no Estado, não haverá falta de matéria-prima ou produto a médio e longo prazo”, esclareceu a companhia.

A empresa afirmou que o aumento na busca do produto é resultado do maior volume de compras pelos consumidores, que estocam alimentos com receio de desabastecimento, e da elevação das compras destinadas a doações para as vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul. 

“Apesar desse cenário logístico desafiador, a Camil Alimentos está unindo esforços com seus parceiros para garantir o abastecimento de arroz e feijão no Estado e em outras regiões do País”, destacou.

O Rio Grande do Sul é a principal fonte de origem de arroz da companhia, sendo o produto mais comercializado pela empresa, que atua também em feijão, café, açúcar, massas, pescados e biscoitos.

Bom Dia Agro
X
Carregando...

Agora complete as informações para personalizar sua newsletter e recebê-la também em seu Whatsapp

Sua função
Tipo de cultura

Tudo certo. Estamos preparados para oferecer uma experiência ainda mais personalizada e relevante para você.

Fique atento ao seu e-mail e Whatsapp para atualizações. Estamos ansiosos para ser parte do seu dia a dia no campo!

Enviamos um e-mail de boas-vindas para você! Se não o encontrar na sua caixa de entrada, por favor, verifique a pasta de Spam (lixo eletrônico) e marque a mensagem como ‘Não é spam” para garantir que você receberá os próximos e-mails corretamente.

Mais lidas de Economia

1

Cumaru: o que é, usos e como plantar a baunilha brasileira

Cumaru: o que é, usos e como plantar a baunilha brasileira
2

OCB vê retrocessos em regulamentação da Reforma Tributária e alerta para bitributação de produtor rural

OCB vê retrocessos em regulamentação da Reforma Tributária e alerta para bitributação de produtor rural
3

Ciclo pecuário do Nelore: produção brasileira de alta qualidade 

Ciclo pecuário do Nelore: produção brasileira de alta qualidade 
4

Gangrena gasosa pode matar bovino em 48 horas 

Gangrena gasosa pode matar bovino em 48 horas 
5

Brasil se torna maior exportador mundial de algodão pela primeira vez

Brasil se torna maior exportador mundial de algodão pela primeira vez
6

Ministério da Agricultura desclassifica 14 marcas de café torrado e determina recolhimento dos produtos; confira lista

Ministério da Agricultura desclassifica 14 marcas de café torrado e determina recolhimento dos produtos; confira lista

Mapeamento completo das condições do clima para a sua região

Notícias relacionadas