AJUDA AO RS

Entidades do agronegócio fazem campanhas para ajudar o povo gaúcho. Saiba como participar!

Economia

Setor produtivo critica “imposto do pecado” e vê espaço para ultraprocessados na cesta básica

Imposto Seletivo, previsto na Reforma Tributária, também depende de lei complementar

2 minutos de leitura

21/03/2024 | 20:16

Por: Da Redação

alimentos
Foto: Adobe Stock

Diferentes associações representativas do setor produtivo defendem a inclusão de alimentos ultraprocessados na cesta básica, que pela Reforma Tributária prevê alíquota zero. A reivindicação foi feita nesta quinta-feira (21), durante uma reunião do grupo de trabalho que debate a isenção de tributos da cesta básica.

O Grupo de Trabalho é um dos 20 formados a partir de 24 frentes parlamentares, que estão discutindo a regulamentação da Reforma Tributária. O encontro na Câmara dos Deputados contou com a presença de representantes de nove associações ligadas ao setor da agroindústria de alimentos (Confira abaixo os nomes). 

Cada um dos convidados pontuou a favor dos seus respectivos segmentos, mas um ponto em comum foi a inclusão de ultraprocessados na composição da cesta básica nacional. Um dos aspectos usados na argumentação foi de que esses produtos são mais baratos e acessíveis à população.

Além dessa questão, as entidades também demonstraram preocupação para o caso desses alimentos serem taxados pelo chamado “imposto do pecado”. O Imposto Seletivo está previsto na Reforma Tributária, mas a alíquota e os itens que sofrerão incidência também dependem de lei complementar. Esse tributo foi criado para onerar bens e serviços que são considerados prejudiciais à saúde e ao meio ambiente. 

O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, falou do impacto dessa medida nos empregos e para os produtores rurais. “Retirar ou deixar algum item da cesta básica tem reflexo direto no dia a dia das pessoas e das empresas. Olha quanto emprego é gerado na nossa situação: são 4 milhões de empregos diretos e indiretos. Se eu colocar fora da cesta básica algum desses itens já estão e outros que devem estar, eu vou fazer esses pequenos agricultores talvez ter que produzir menos, porque as pessoas vão consumir menos”, apontou durante a reunião.    

“A regulamentação da reforma tributária deve seguir, no nosso entendimento, a diretriz de desoneração de toda a cadeia do café, do campo à mesa, independentemente da qualidade ou forma de consumo do produto (Café torrado, essências, extratos etc)”, afirmou Pavel Cardoso, presidente da ABIC (Associação Brasileira da Indústria de Café).

Veja quais são as associações que participaram do debate:

  • Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC)
  • Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA)
  • Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos)
  • Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca)
  • Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo)
  • Associação Brasileira das Indústrias de Biscoito, Massas Alimentícias e Pães (Abimapi)
  • Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec)
  • Associação Brasileira de Alimentos Alternativos (ABAA)
  • Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA)

Bom Dia Agro
X
Carregando...

Agora complete as informações para personalizar sua newsletter e recebê-la também em seu Whatsapp

Sua função
Tipo de cultura

Tudo certo. Estamos preparados para oferecer uma experiência ainda mais personalizada e relevante para você.

Fique atento ao seu e-mail e Whatsapp para atualizações. Estamos ansiosos para ser parte do seu dia a dia no campo!

Enviamos um e-mail de boas-vindas para você! Se não o encontrar na sua caixa de entrada, por favor, verifique a pasta de Spam (lixo eletrônico) e marque a mensagem como ‘Não é spam” para garantir que você receberá os próximos e-mails corretamente.

Mais lidas de Economia

1

Prorrogação de dívidas rurais em 2024: O que você precisa saber

Prorrogação de dívidas rurais em 2024: O que você precisa saber
2

Prejuízos no agronegócio do RS passam de R$ 2 bilhões, estima Confederação Nacional dos Municípios

Prejuízos no agronegócio do RS passam de R$ 2 bilhões, estima Confederação Nacional dos Municípios
3

Blairo Maggi: "2024 é um ano decisivo para a CPR"

Blairo Maggi: "2024 é um ano decisivo para a CPR"
4

Conheça os 10 tipos de feijão mais comum no Brasil

Conheça os 10 tipos de feijão mais comum no Brasil
5

Entidades de SC pedem suspensão de leilão para compra de arroz

Entidades de SC pedem suspensão de leilão para compra de arroz
6

RS envia primeira carga de laticínios para fora do estado

RS envia primeira carga de laticínios para fora do estado

Mapeamento completo das condições do clima para a sua região

Notícias relacionadas