AJUDA AO RS

Entidades do agronegócio fazem campanhas para ajudar o povo gaúcho. Saiba como participar!

Economia

Agroindústria no Brasil fecha 2023 com crescimento de 0,8%

Setor de produtos alimentícios e bebidas e o segmento de biocombustíveis foram destaques positivos na agroindústria do ano passado

3 minutos de leitura

26/02/2024 | 17:20

Por: Daumildo Júnior | daumildo.junior@estadao.com

Trabalhadoras em agroindústria de alimentos de origem animal
Produção de alimentos de origem animal cresceu 2,7%. Foto: Wenderson Araujo/Trilux

A agroindústria brasileira terminou 2023 em alta, com crescimento de 0,8% em relação ao ano anterior. Os dados são do FGV Agro (Centro de Estudos do Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas) publicados no PIMAgro (Índice de Produção Agroindustrial).

Na visão do pesquisador do FGV Agro, Felippe Serigati, o segundo semestre foi o responsável por entregar o resultado positivo no agregado do ano. Segundo Serigati, o número mostra a força dessas indústrias se comparado a outros tipos de empresas no olhar macro econômico.  

“Esse número a princípio pode parecer baixo, mas o grande benchmark para a agroindústria é o setor em que ela está incluída. A indústria de transformação teve uma contração de 1,1%. […] Aquela indústria mais associada às commodities tem conseguido um desempenho melhor do que o restante da manufatura”, disse ao Agro Estadão.

O destaque positivo e principal fator da alta foi o setor de produtos alimentícios e bebidas, com crescimento acumulado de 3,2%. Dentro desse setor, todos os segmentos também tiveram expansão, sendo que o segmento de produtos de origem vegetal registrou 7,3% de alta.

O setor de produtos não alimentícios, que envolve produção têxtil e insumos agropecuários, por exemplo, teve uma queda de 2,3%.  

Agroindústria cresce na parte de alimentos e bebidas

A alta desse setor foi motivada pelo aquecimento do mercado brasileiro, ajudada pela queda da inflação, apontam os pesquisadores da instituição. 

“O aumento da oferta foi derivado, dentre outros fatores, da produção recorde das atividades agropecuárias. Do lado da demanda, ocorreu uma expansão acelerada do consumo das famílias que, junto com a maior arrefecimento da inflação de alimentos, aqueceu a procura por produtos alimentícios e bebidas”, afirmou o FGV Agro na apresentação da pesquisa. 

O crescimento por segmento dentro do setor de produtos alimentícios e bebidas ficou assim:

  • Alimentos de origem vegetal: alta de 7,3%;
  • Alimentos de origem animal: alta de 2,7%;
  • Bebidas alcoólicas: alta de 0,2%;
  • Bebidas não alcoólicas: alta de 1,7%.

Segmento de biocombustíveis cresce 13,4%

O crescimento de 13,4% do segmento de biocombustíveis não foi capaz de levantar o setor de produtos não-alimentícios. Esse setor engloba também os segmentos de produção têxtil, de produtos florestais, de insumos agropecuários e de fumo. 

Desses, apenas fumo e biocombustíveis tiveram um desempenho positivo. Segundo o FGV Agro, a produção de biocombustíveis foi “favorecida pelo aumento da oferta e da qualidade de cana-de-açúcar ao longo do ano. Além disso, o setor contou com a maior produção de etanol de milho”.

Já a explicação para a queda do setor de produtos não-alimentícios como um todo é dada por fatores estruturais, como a entrada de produtos têxteis chineses. Além disso, questões conjunturais, como a diminuição das exportações e estoques altos, tiveram impacto negativo sobre os segmentos de insumo agropecuários, produtos têxteis e produtos florestais.

O resultado final em 2023 dos segmentos de produtos não alimentícios ficou assim:

  • Insumos agropecuários: queda de 11,5%;
  • Produtos têxteis: queda de 3%;
  • Produtos florestais: queda de 3%;
  • Biocombustíveis: alta de 13,4%;
  • Fumo: alta de 4,5%. 

Perspectiva positiva para 2024

Para Serigati, o ano de 2024 tende a ser um ano melhor do que 2023 até este momento. Um dos motivos é que a agroindústria entra em 2024 “acelerando”, diferente do cenário de 2022 para 2023.

Na análise por parte do consumidor, isto é, da demanda, o pesquisador apontou que caso a inflação continue caindo e o mercado de trabalho aquecido, isso pode gerar mais procura. Já quando ele observa o lado da oferta, os empresários estão menos confiantes. 

“Chama atenção que, apesar dos números da economia brasileira não serem 100% confortáveis, a confiança do empresário industrial está operando abaixo do que a gente tinha visto em situações semelhantes, em períodos anteriores”, pontuou.

Segundo o pesquisador, uma das hipóteses é a ausência de normas mais claras com relação à Reforma Tributária. Mesmo com o texto aprovado, ainda há uma insegurança sobre o futuro tributário do país, o que freia os impulsos para novos investimentos e expansão de produção por parte do empresariado. 

Bom Dia Agro
X
Carregando...

Agora complete as informações para personalizar sua newsletter e recebê-la também em seu Whatsapp

Sua função
Tipo de cultura

Tudo certo. Estamos preparados para oferecer uma experiência ainda mais personalizada e relevante para você.

Fique atento ao seu e-mail e Whatsapp para atualizações. Estamos ansiosos para ser parte do seu dia a dia no campo!

Enviamos um e-mail de boas-vindas para você! Se não o encontrar na sua caixa de entrada, por favor, verifique a pasta de Spam (lixo eletrônico) e marque a mensagem como ‘Não é spam” para garantir que você receberá os próximos e-mails corretamente.

Mais lidas de Economia

1

Prorrogação de dívidas rurais em 2024: O que você precisa saber

Prorrogação de dívidas rurais em 2024: O que você precisa saber
2

Prejuízos no agronegócio do RS passam de R$ 2 bilhões, estima Confederação Nacional dos Municípios

Prejuízos no agronegócio do RS passam de R$ 2 bilhões, estima Confederação Nacional dos Municípios
3

Blairo Maggi: "2024 é um ano decisivo para a CPR"

Blairo Maggi: "2024 é um ano decisivo para a CPR"
4

Conheça os 10 tipos de feijão mais comum no Brasil

Conheça os 10 tipos de feijão mais comum no Brasil
5

Entidades de SC pedem suspensão de leilão para compra de arroz

Entidades de SC pedem suspensão de leilão para compra de arroz
6

RS envia primeira carga de laticínios para fora do estado

RS envia primeira carga de laticínios para fora do estado

Mapeamento completo das condições do clima para a sua região

Notícias relacionadas