Agropolítica

Fávaro: “os investimentos que vencem no ano de 2024 serão prorrogados de acordo com os contratos”

Ministro não deu detalhes de como deve acontecer esse adiamento da dívida rural, mas irá beneficiar produtores de soja, milho, pecuária de corte e de leite

3 minutos de leitura

19/03/2024

Por: Daumildo Júnior | daumildo.junior@estadão.com

Carlos Fávaro em discurso na Safra Show
Foto: MAPA/Divulgação

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, confirmou que o governo vai prorrogar as dívidas de crédito rural que vencem neste ano. A declaração foi feita na última segunda, 18, na cerimônia de abertura do Show Safra, em Lucas do Rio Verde (MT).

“Recebi, por determinação do presidente Lula, a incumbência de trazer a notícia a todos produtores e produtoras de soja, milho, pecuária bovina e de leite do Brasil. Os investimentos que vencem no ano de 2024 serão prorrogados de acordo com os contratos. Talvez deixando para última, se tiver dois ou três anos para vencer, ou parcelado, durante os vencimentos das parcelas vincendas”, afirmou o chefe da pasta. 

Segundo Fávaro, as medidas já vêm sendo trabalhadas pelo governo nos últimos 40 dias, mas o ministro não deu detalhes de como deve funcionar essa prorrogação, apenas adiantou que deve acontecer caso a caso. “Vamos também criar uma normatização para que os custeios públicos, dos bancos públicos, sejam cumpridas as normativas do crédito rural e sejam todos prorrogados de acordo com a necessidade de cada produtor brasileiro”, disse.

Outra medida declarada é a liberação de uma linha voltada para capital de giro, que são recursos de fácil acesso para quitação de dívidas do dia a dia. De acordo com o ministro, esse crédito deve ser intermediado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e ficar disponível nos outros bancos. 

“Pedimos e está sendo trabalhado no BNDES também uma linha de CPRs (Cédulas de Produto Rural)  de capital de giro, que vai dar tranquilidade aqueles produtores que sofreram intempéries climáticos ou de preços e não conseguiram salvar seus compromissos privados. […] Eu tenho certeza que o BNDES vai conseguir colocar isso nos próximos dias à disposição dos produtores”, revelou o ministro.

O Agro Estadão havia adiantado que o anúncio da linha emergencial ocorreria nos próximos dias. No final de fevereiro, o ministro também comentou que essa linha teria dois anos de carência e mais três anos para quitação.  

Diferentes entidades representativas do setor Agro vinham pedindo socorro aos produtores. Apesar de não ser unanimidade o reconhecimento de uma crise, é comum o discurso de que o auxílio é urgente e necessário.

Estímulo à produção de arroz, milho, feijão e trigo

Durante o discurso, Fávaro disse que o governo vai estimular a produção de arroz, milho, feijão e trigo em mais áreas do país. Esse fomento deve acontecer através da compra desses produtos por um preço acima do mínimo.  

“Nós não podemos ter, por exemplo, 85% do arroz produzido no Brasil concentrados 70% no Rio Grande do Sul, 15% em Santa Catarina, e outros 15% em todo o restante do território nacional. O que podemos fazer com isso? Tecnologia tem. Homens e mulheres que sabem lidar com a terra também nós temos disponíveis. Equipamentos, máquinas e tudo.[Falta] incentivo. Contratos de opções acima do preço mínimo serão lançados para que possa diversificar, por todo o Centro-Oeste, Nordeste brasileiro, o plantio de arroz, feijão, milho e trigo. Isso para que o produtor na dúvida entre plantar milho e plantar um pouquinho de arroz na segunda safra, ele possa diversificar na certeza que tem o governo comprando com opções para garantir renda a esses produtores”, comentou o responsável pela Agricultura no Brasil.

Recuperações judiciais também estarão em discussão

Um tema que tem ganhado palco no cenário do agronegócio brasileiro são as recuperações judiciais. Em 2022, esse número era de 19. Já em 2023, houve um salto e foi para 127. O temor é que esse artifício jurídico se espalhe e faça as taxas de juros do crédito rural subirem.

Fávaro disse que pretende “enfrentar de frente, com responsabilidade, as banalizações das recuperações judiciais”. Ponderou que são instrumentos importantes, mas que precisam de “critérios muito sérios”.

“CPR, alienação fiduciária e ato cooperativo, por exemplo, não podem participar de recuperação judicial. Procuramos o CNJ, por determinação do presidente Lula, para que o ministro corregedor possa transcrever normativas trazendo clareza quanto a esse instrumento”, completou o ministro

Bom Dia Agro

Newsletter

X
Carregando...

Seu e-mail foi cadastrado!

Agora complete as informações para personalizar sua newsletter e recebê-la também em seu Whatsapp

Sua função
Tipo de cultura

Bem-vindo (a) ao Bom dia, Agro!

Tudo certo. Estamos preparados para oferecer uma experiência ainda mais personalizada e relevante para você.

Mantenha-se conectado!

Fique atento ao seu e-mail e Whatsapp para atualizações. Estamos ansiosos para ser parte do seu dia a dia no campo!

Enviamos um e-mail de boas-vindas para você! Se não o encontrar na sua caixa de entrada, por favor, verifique a pasta de Spam (lixo eletrônico) e marque a mensagem como ‘Não é spam” para garantir que você receberá os próximos e-mails corretamente.

Mais lidas de Agropolítica

1

CMN autoriza prorrogação de dívidas que vencem em 2024

CMN autoriza prorrogação de dívidas que vencem em 2024
2

Terras indígenas: entenda decisão do STF que suspende demarcação no oeste do Paraná e destrava ações judiciais de reintegração de posse

Terras indígenas: entenda decisão do STF que suspende demarcação no oeste do Paraná e destrava ações judiciais de reintegração de posse
3

Vice-presidente Alckmin quer agilidade na aprovação dos “combustíveis do futuro”

Vice-presidente Alckmin quer agilidade na aprovação dos “combustíveis do futuro”
4

Terras indígenas: entidades do agronegócio reagem à tentativa do governo de derrubar marco temporal

Terras indígenas: entidades do agronegócio reagem à tentativa do governo de derrubar marco temporal
5

Gripe aviária: Ministério da Agricultura confirma novo foco da doença

Gripe aviária: Ministério da Agricultura confirma novo foco da doença
6

Lei dos Agrotóxicos é prioridade na Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura

Lei dos Agrotóxicos é prioridade na Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura

Mapeamento completo das condições do clima para a sua região

Notícias relacionadas