Economia

Máquinas agrícolas: compras por leilões e consórcios crescem no Brasil 

Modalidades são alternativas para produtores que têm pouco capital para investir ou que preferem planejar as compras 

4 minutos de leitura

08/03/2024

Por: Fernanda Farias | fernanda.farias@estadao.com

máquina agrícola em leilão
Foto: Superbid/Divulgação

Pequenos e médios produtores têm buscado alternativas mais viáveis economicamente para renovar a frota de máquinas agrícolas, como os consórcios e os leilões. Nos últimos dois anos, a compra de maquinários em leilões cresceu 46% em uma das principais empresas leiloeiras do segmento. A Superbid Exchange tem market share de 70% no mercado brasileiro. Considerando apenas 2023, o aumento foi de 13% em relação ao ano anterior.  

É que para comprar uma máquina agrícola nova, o produtor rural precisa desembolsar um bom dinheiro. O preço de uma colheitadeira de grãos, por exemplo, varia bastante de acordo com a marca, o modelo, ano de fabricação, entre outros itens, e pode somar milhões.  Por isso, as compras são normalmente feitas por meio de financiamentos, o que depende de ter crédito nas instituições financeiras. Além disso, para investir em novas tecnologias é preciso ter bons resultados nas colheitas, aumentando o capital de giro do produtor.  

O diretor técnico da Superbid Exchange, Marcelo Bartolomei Pinheiro, explica que a crise externa e os fatores econômicos afetaram a indústria nacional, o que acabou impulsionando a procura pelos leilões dentro do agronegócio. 

A plataforma de leilões existe há 20 anos e atua na América Latina em vários segmentos. No Brasil, o agronegócio é parte relevante da carteira de clientes. “Hoje o agro representa 30% dos nossos negócios, somando mais de 100 mil compradores”, afirmou Pinheiro, ao Agro Estadão.

Tratores são os mais procurados nos leilões; ticket médio é de R$ 120 mil

O ticket médio das máquinas vendidas em leilões na plataforma Superbid Exchange é de R$ 120 mil. Os tratores agrícolas são os itens mais procurados, representando 27,4% do total de vendas. Em seguida vêm implementos especiais (12,8%) e transbordos (12,2%). 

Uma das mudanças que têm ocorrido no setor, é o tempo útil do maquinário vendido em leilões. O diretor técnico da empresa conta que o trator vinha com mais de dez anos de uso e com deterioração, o que mudou de cinco anos para cá. 

“A gente observa que as empresas trocam muito o maquinário em busca da eficiência operacional, então, temos modelos que são lançamentos, o que é super atrativo para pequenos e médios produtores”, avalia Pinheiro.  Segundo ele, as máquinas vendidas na plataforma têm em média cinco anos de uso e vida útil alongada. 

Consórcios de máquinas agrícolas são alternativa para o produtor descapitalizado

O consórcio para veículos pesados cresceu 11,8% em 2023, comparado a 2022, segundo a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC). Foram comercializados R$ 46,76 bilhões em créditos e, neste volume, estão operações de consórcios de máquinas agrícolas, como tratores, plantadeiras e colheitadeiras.

O consórcio de máquinas agrícolas funciona como o consórcio de qualquer outro bem: o participante adquire uma ou mais cotas, pode dar lances antecipados ou esperar ser sorteado. O que chama atenção no agro são os custos, se comparados a financiamentos para compra das máquinas. 

O gerente comercial do Consórcio New Holland, Eyji Cavalcante, explica que a carteira oferece operações com taxas de administração de 1,5%. “É um custo bem atrativo para o produtor rural”, comenta. 

A marca oferece crédito de R$ 178 mil até R$ 4 milhões, com parcelas semestrais. Em 2023, vendeu R$ 1,3 bilhões de crédito, valor considerado recorde histórico em vendas. “ A escassez do crédito e a taxa de juros acima da média permite que o cliente abra a visão para novas modalidades financeiras”, afirma Cavalcante. 

Ele explica que o consórcio atende do pequeno ao grande agricultor; desde o que não tem acesso à linha de crédito até aquele produtor que planeja a renovação de frota com 2,3 ou 4 anos de antecedência. O gerente conta que Rio Grande do Sul e Bahia têm se destacado na procura por essa modalidade de compra.

“Considerando regiões, a procura é muito sazonal e depende das condições da safra e da colheita do ano. Mas no ano passado, houve uma movimentação muito positiva no Rio Grande do Sul, apesar dos problemas com a safra”.   

Vendas de máquinas novas caíram em 2023 e cenário deve permanecer em 2024

Levantamentos do setor especializado mostram que as vendas de máquinas agrícolas novas caíram em 2023 e devem continuar em baixa em 2024. 

Segundo a ABIMAQ, a redução foi de 23,2% no ano passado, cerca de R$ 9 bilhões a menos que no ano anterior. A entidade projeta queda entre 10% e 15% para o próximo ano.  A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA) estima redução de 11% nas vendas de máquinas agrícolas em 2024. 

Confira aqui empresas de leilões e consórcios de máquinas agrícolas

Bom Dia Agro

Newsletter

X
Carregando...

Seu e-mail foi cadastrado!

Agora complete as informações para personalizar sua newsletter e recebê-la também em seu Whatsapp

Sua função
Tipo de cultura

Bem-vindo (a) ao Bom dia, Agro!

Tudo certo. Estamos preparados para oferecer uma experiência ainda mais personalizada e relevante para você.

Mantenha-se conectado!

Fique atento ao seu e-mail e Whatsapp para atualizações. Estamos ansiosos para ser parte do seu dia a dia no campo!

Enviamos um e-mail de boas-vindas para você! Se não o encontrar na sua caixa de entrada, por favor, verifique a pasta de Spam (lixo eletrônico) e marque a mensagem como ‘Não é spam” para garantir que você receberá os próximos e-mails corretamente.

Mais lidas de Economia

1

O Brasil já é autossuficiente na produção de cacau ou precisamos importar? 

O Brasil já é autossuficiente na produção de cacau ou precisamos importar? 
2

Atemoia: fruta exótica e doce conquistou o mercado internacional

Atemoia: fruta exótica e doce conquistou o mercado internacional
3

Cacau atinge preço histórico e ultrapassa U$ 10 mil a tonelada; até quando os produtores vão lucrar? 

Cacau atinge preço histórico e ultrapassa U$ 10 mil a tonelada; até quando os produtores vão lucrar? 
4

Desafios no cacau: produtores cobram políticas de apoio e incentivo 

Desafios no cacau: produtores cobram políticas de apoio e incentivo 
5

Produtos especiais brasileiros conquistam mercado mexicano

Produtos especiais brasileiros conquistam mercado mexicano
6

Aluguel e arrendamento de pasto: um guia completo para os produtores rurais

Aluguel e arrendamento de pasto: um guia completo para os produtores rurais

Mapeamento completo das condições do clima para a sua região

Notícias relacionadas